Tumores da Hipófise

Atualizado: 4 de out. de 2020




Os tumores da hipófise são crescimentos anormais que se desenvolvem na glândula pituitária. A glândula hipófise ou pituitária é responsável por orquestrar a produção de muitos hormônios que regulam funções importantes do corpo como crescimento, reprodução e pressão arterial. Fica localizada numa região na base do cérebro atrás do nariz e entre as orelhas. Apesar de seu tamanho pequeno, a glândula influencia quase todas as partes do corpo como a tireoide, suprarrenais, ovários, testículos, mamas e fígado.


A absoluta maioria dos tumores hipofisários são benignos (adenomas). Os adenomas permanecem na glândula pituitária ou nos tecidos circundantes e não se espalham para outras partes do corpo.


Os tumores de hipófise são classificados como secretores e não-secretores de hormônios. Isso quer dizer que no caso dos tumores secretores (ou funcionantes), a célula que compõem o tumor pode produzir um determinado hormônio em excesso. Os principais sintomas, nesses casos, acabam sendo em consequência do excesso de hormônio produzido e são conhecidos como Doença de Cushing (hormônio adrenocorticotrófico), Acromegalia (hormônio de crescimento), Prolactinoma (prolactina), tumores secretores de tireotrofina ou gonadotrofinas.


Aproximadamente 30 a 40% dos tumores de hipófise são não-secretores. Geralmente tornam-se sintomáticos quando o tumor cresceu ao ponto de provocar sintomas visuais ou dor de cabeça. Geralmente a pessoa nota alguns pontos cegos no campo visual podendo evoluir para perda de toda metade lateral do campo visual.


Adenomas pequenos também podem ser diagnosticados por acaso (incidentalomas), quando a pessoa faz uma ressonância magnética de crânio por outro motivo e a presença do tumor acaba sendo notada. Nesse caso, a depender da idade do paciente, estado de saúde e das características da lesão, pode-se optar por observação do tumor com ressonâncias de crânio sequenciais e dosagens hormonais.


Quando os tumores medem até 10mm são chamados de microadenomas. Quando maiores, são denominados macroadenomas.


Os adenomas de hipófise são frequentes, representando de 15 a 20% do total dos tumores cerebrais. A cada 100.000 pessoas, 80 a 100 indivíduos terão um tumor pituitário.


Uma pequena percentagem de casos de tumores hipofisários ocorre em famílias, mas a maioria não possui fator hereditário aparente. Todavia, alterações genéticas isoladas desempenham um papel importante na forma como os tumores da hipófise se desenvolvem.


Tratamento:


- Observação:

Geralmente reservada aos microadenomas descobertos por acaso na ressonância magnética de crânio.


- Medicamentoso:

- Prolactinomas (tumores que produzem Prolactina)

A grande maioria desses tumores pode ser tratada exclusivamente com medicações. Essas pessoas tem que tomar a medicação por toda a vida. Às vezes, um Prolactinoma precisa ser tratado também com cirurgia e radiocirurgia.

- Demais tumores Secretores: Cushing, Acromegalia e outros

Geralmente o tratamento medicamentoso específico é utilizado em conjunto com a cirurgia.


À exceção dos prolactinomas e dos microadenomas não secretores diagnosticados incidentalmente, o tratamento dos tumores de hipófise é cirúrgico. Os prolactinomas são geralmente controlados com medicação enquanto os tumores incidentais podem ser observados. Se não houver controle dos prolactinomas com medicação e se os tumores encontrados incidentalmente crescerem, eles devem ser operados.


- Cirurgia:

A absoluta maioria dos tumores de hipófise têm o tratamento cirúrgico como etapa inicial. A cirurgia é muito especializada e geralmente realizada junto ao otorrinolaringologista uma vez que o acesso à base do crânio é feito pelo nariz (transfenoidal) na grande maioria dos casos. Em casos excepcionais a cirurgia é feita por craniotomia (pela parte superior do crânio) .


A cirurgia por via transfenoidal pode ser feita por meio da neuroendoscopia ou com uso do microscópio. O tumor pode ser removido em sua totalidade ou parcialmente, a depender de vários fatores, principalmente quando invade estruturas que não podem ser lesadas sem um déficit neurológico importante, como é o caso dos nervos responsáveis pela visão ou grandes vasos sanguíneos que irrigam o cérebro, como exemplo os nervos ópticos e a artéria carótida.


Uma complicação rara, mas potencialmente grave, de um tumor hipofisário é a apoplexia hipofisária, isto é, quando ocorre um sangramento repentino no tumor. O paciente sente uma dor de cabeça muito forte e pode perder a visão subitamente. A apoplexia hipofisária requer tratamento de emergência, muitas vezes necessitando de cirurgia de urgência para descompressão do aparato visual, evitando uma cegueira permanente.


- Radiocirurgia

A radiocirurgia consiste em focar com precisão submilimétrica uma alta dose de radiação apenas no tumor (alvo). Para que tal tratamento seja feito com segurança e bons resultados, é necessário contar com equipamentos de alta precisão, dedicados ao tratamento do cérebro e com especialistas dedicados como neurocirurgiões, radioncologistas e físicos médicos.

Radiocirurgia é uma técnica bastante diferente de radioterapia convencional, sendo que a radiocirurgia possibilita focar altas doses de radiação apenas no tumor, poupando as estruturas cerebrais normais ao redor, especialmente evitando efeitos colaterais relacionados ao funcionamento hormonal e visão. Dessa forma o paciente não apresenta os efeitos colaterais decorrentes do tratamento de radioterapia convencional como queda de cabelo, alteração de memória, cicatrização da pele e dificuldade para a reoperação.


A radiocirurgia está indicada para o tratamento de adenomas de hipófise em algumas situações exemplificadas abaixo:

- Remoção parcial do tumor: pode-se observar o tumor por alguns meses e complementar o tratamento com radiocirurgia.

- Tumor secretor de um hormônio: quando o controle do excesso de produção hormonal não foi alcançado no pós-operatório imediato, a radiocirurgia logo a seguir da recuperação cirúrgica deve ser feita.

- Remoção total com retorno do tumor alguns meses ou anos depois: a radiocirurgia também poderá ser realizada. Às vezes, a reabordagem cirúrgica e a radiocirurgia podem ser necessárias conjuntamente, sendo que essa decisão é tomada caso a caso.


O acompanhamento médico é multidisciplinar, contando com o endocrinologista especializado, o neurocirurgião, o otorrinolaringologista e o oftalmologista. Nem todas as pessoas afetadas requerem seguimento com todos esses especialistas. Os tumores da hipófise podem ter repercussões nos hormônios e na visão. No caso de cirurgia feita pelo nariz, o otorrino também acompanha.


O paciente pode apresentar falha na produção de um ou mais hormônios da pituitária e, nesse caso, precisa repor o hormônio por meio da ingestão de comprimidos, controlado sempre por dosagens hormonais de rotina monitorizadas pelo endocrinologista. Também realiza ressonância magnética de crânio de rotina monitorizada pelo neurocirurgião.

620 visualizações0 comentário