Tremor Essencial

Atualizado: 14 de dez. de 2021



O tremor essencial é a condição neurológica que mais comumente causa tremores rítmicos nas mãos durante a execução de tarefas (tremor de intenção) como comer, escrever ou vestir-se. O tremor afeta as mãos mas também pode afetar a cabeça, voz, pernas e tronco. Algumas pessoas até sentem um abalo interno.


O tremor essencial é oito vezes mais comum que a doença de Parkinson, embora seja facilmente confundido com a mesma. Acomete de 0.3 a 5.6% da população mundial, sendo que 4% da população acima dos 40 anos tem tremor essencial. A incidência é de 23,7 pessoas por 100,000 habitantes.


A tendência do tremor é de piorar com a idade, principalmente a partir dos 60 anos.


É também conhecido como tremor familiar, tremor benigno ou tremor hereditário. Metade das pessoas com tremor essencial relatam que um ou mais familiares também tremem ou tremiam. Em casos onde muitos familiares apresentam a doença, o aparecimento do tremor costuma ser notado em idade mais jovem.


Apesar de ser tão comum na população, poucas pessoas sabem que existem tratamentos cirúrgicos seguros e minimamente invasivos para quando o tremor torna-se limitante na vida da pessoa. E, com isso, muitos pacientes perdem a oportunidade de beneficiar-se da cirurgia durante um fase extremamente produtiva de sua vida, podendo inclusive mudar de profissão ou desistir da mesma por causa da intensidade do tremor.


Essa condição acarreta também efeito importante no comportamento social e no humor das pessoas que sofrem dessa condição. Muitas vezes as pessoas tendem a isolar-se socialmente, privando-se de serem espontâneas ou de participarem em atividades públicas. Isso dá-se por preferirem evitar sentir preconceito por parte de terceiros. A ansiedade, o nervosismo e o cansaço pioram a intensidade dos tremores. Porém essa esquiva social leva muitas vezes à depressão e insegurança pessoal que podem ter repercussão no ambiente familiar e de trabalho.


O tratamento medicamentoso traz alívio parcial na maioria das vezes para aproximadamente 50-60% das pessoas. As medicações de primeira linha são o propranolol e a primidona. Os medicamentos de segunda linha incluem topiramato, gabapentina, alprazolam e toxina botulínica.


Quando a medicação não alivia de maneira satisfatória os tremores, sendo que a pessoa apresenta limitações significativas na qualidade de vida, deve-se considerar a cirurgia. Existem várias cirurgias para o Tremor essencial. O alvo cerebral mais utilizado para as intervenções cirúrgicas é o Núcleo Ventralis Intermedius do tálamo (VIM). Mais recentemente, a zona incerta caudal também tem sido empregada como alvo.


Quanto às cirurgias, temos:


Estimulação cerebral profunda (marca-passo cerebral): modulação por meio de estímulos elétricos contínuos. Requer que o paciente mantenha a estimulação ligada continuamente. Geradores modernos são recarregáveis. Porém existem também geradores que duram aproximadamente 4 anos, sendo trocados com uma cirurgia simples e rápida. Os geradores recarregáveis podem durar entre 5 a 25 anos, a depender do modelo. Os parâmetros podem ser ajustados ao longo dos anos, permitindo ajustar o nível de estimulação à gravidade do tremor do paciente. Esta cirurgia é reversível, isto é, se o paciente decide que não quer mais a terapia, o aparelho pode ser desligado e até completamente removido.


Talamotomia por Radiofrequência: pode ser realizada com eletrodos que, por meio de energia térmica, promovem uma desconexão precisa e, com isso, promovem alívio do tremor. A Talamotomia por radiofrequência requer uma cirurgia semelhante a do marca-cerebral, requerendo internação de aproximadamente 3 dias.


Talamotomia por Radiocirurgia: não requer internação, porém requer um equipamento dedicado ao sistema nervoso central de extrema precisão. A radiação é focada com precisão submilimétrica no alvo, levando ao controle progressivo do tremor.


Talamotomia por Ultrassom de alta frequência (HIFU): ainda não disponível no Brasil. Utiliza energia por ultrassom para promover uma desconexão seletiva que leva a um melhor controle do tremor.


Dicas do dia-a-dia para quem tem Tremor Essencial:


  • Encontre maneiras de reduzir o estresse e relaxar.

  • Durma bem pois o cansaço também piora o tremor.

  • Evite o consumo de álcool. Embora pequenas quantidades de álcool pareçam aliviar tremores em alguns pacientes, o álcool pode levar à dependência ou danos no fígado.

  • Considere a interrupção breve de certas medicações antes de participar de eventos sociais. Alguns medicamentos, como tratamentos para tireoide ou asma, podem agravar tremores.

  • Evite cafeína, que pode ser presente também em outras bebidas e alimentos.

  • Coloque um guardanapo entre uma xícara e um pires para impedir que a xícara chacoalhe.

  • Evite posturas e ações desconfortáveis.

  • Adicione uma pequena quantidade de peso ao seu pulso usando uma pulseira pesada ou relógio, ou segurando algo em sua mão. O peso pode reduzir alguns tremores e restaurar mais controle nas suas mãos.

  • Beba bebidas de xícaras ou copos meio cheio.

  • Utilize um canudo para ingerir líquidos.

457 visualizações0 comentário