Cordomas

Atualizado: 3 de mar.

Os cordomas são tumores raros, de crescimento lento, localmente destrutivos, porém benignos. Crescem na linha média surgindo a partir de um remanescente fetal chamado “notocórdia”. Eles representam menos de 0,1% de todos os tumores da base do crânio, e menos de 5% dos tumores ósseos primários.



Aproximadamente 35% envolvem as áreas clival e esfenoidal, portanto centrados na base do crâneo. O restante aparece na área sacrococcígea. Os cordomas são mais comuns na terceira e quarta décadas de vida e afetam ambos os sexos.


Sintomas


Embora eles iniciem como tumores extradurais, ou seja, fora da capa meníngea que envolve o cérebro, eles frequentemente a invadem.Corroendo a duramater eles especialmente envolvemo seio cavernoso e o espaço subaracnóideo pré tronco cerebral. Geralmente resultam em disfunção de nervos que comandam as funções oculares e faciais. Os pacientes queixam-se de visão dupla ou turva e de formigamento ou perda de sensibilidade facial. Em alguns casos, com compressão do tronco cerebral, afetam também funções motoras e sensitivas dos braços e pernas.


Tratamento


Devido à esta natureza invasiva no seio cavernoso, estruturas para selares e extensões intradurais, a remoção total microscópica dos cordomas clivais, ou seja, intracranianos,geralmente não é possível.


As taxas totais de remoção variam de 12% a 75% para abordagens tradicionais da base do crânio e de 33% a 67% para abordagens transesfenoidais, isto é, através da cavidade nasal.


No entanto, a extensão da ressecção inicial parece correlacionar-se com a resposta subsequente à radioterapia por feixe de prótons ou radiocirurgia.


Dado que a maioria dos cordomas clivais tem um epicentro na base craniana, na linha média ou perto dela, a via transesfenoidal pela cavidade nasal geralmente fornece a abordagem mais direta e menos invasiva. Esta é aceita como minimamente invasiva para remoção dos cordomas.


Utilizando uma abordagem transesfenoidal estendida, é possível alcançar a área paraselar, dois terços superiores do clivus e acessar o seio cavernoso medialmente, aqui os nervos relacionados aos movimentos oculares e sensibilidade da face, bem como a artéria carótida ficam em risco de lesão, sendo uma das razoes que este tumor geralmente não é completamente removível.


A visualização endoscópica expande ainda mais o alcance da abordagem transesfenoidal para cordomas de base de crâneo, sendo hoje a melhor maneira de operá-los. Antes a cirurgia era feita através de uma incisão sublabial superior, abordando o tumor de maneira transesfenoidal.


Hoje os cordomassão na maioria das vezes operados usando neuronavegação, endoscopia e microscopiaatravés da cavidade nasal natural, sem necessidade de incisões desfigurastes. A recuperação cirúrgica é rápida. Como a ressecção total é difícil, pela natureza invasiva e localização dos cordomas, a remoção deve ser prontamente seguida de radiocirurgia para controlar o residual.


Isto modernamente pode de ser feito com técnicas radiocirúrgicas avançadas existentes somente em grandes centros neurocirúrgicos. Aparelhos como a Gamma Knife, Cyberknife, e Aceleradores Lineares de última geração com acessórios para precisão são usados.


Acumulou-se através dos anos experiência com a terapia por prótons, esta obtém resultados semelhantes aos que se consegue com os aparelhos radiocirúrgicos modernos mencionados acima. A terapia com prótons ainda não é existente na América Latina.


Bibliografia

  1. Choy W, Terterov S, Kaprealian TB, Trang A, Ung N, DeSalles A, Chung LK, Martin N, Selch M, Bergsneider M, Vinters HV, Yong WH, Yang I.Predictors of recurrence following resection of intracranial chordomas. J ClinNeurosci. 2015 Jul 22. pii: S0967-5868(15)00287-8. doi: 10.1016/j.jocn.2015.05.024. [Epub ahead of print]

  2. Hauptman JS, Barkhoudarian G, Safaee M, Gorgulho A, Tenn S, Agazaryan N, Selch M, De Salles AA. Challenges in Linear Accelerator Radiotherapy for Chordomas and Chondrosarcomas of the Skull Base: Focus on Complications. Int J RadiatOncolBiol Phys. 2011 Dec 2. [Epub ahead of print]

  3. Fatemi N, Dusick JR, Gorgulho AA, Mattozo CA, Moftakhar P, De Salles AA, Kelly DF. Endonasal microscopic removal of clival chordomas. Surg Neurol. 2008 Apr;69

  4. :331-8. Epub 2008 Jan 30.


119 visualizações0 comentário