Neuromodulação para Dor de Cabeça


Dores de cabeça assolam a grande maioria das pessoas. Globalmente a população adulta com cefaleia é de 46%. Onze por cento tem enxaqueca, 42% sofre de dor de cabeça tensional e 3% tem cefaleia diária crónica. As causas de cefaleia são as mais variadas, desde simples tensão do dia a dia (tensional), infecções como uma gripe, dificuldade com a acuidade visual e até causas severas como um tumor cerebral, estas que aparecem como sintomas de doenças severas tem uma incidência bem menor.


Normalmente a dor de cabeça melhora com os analgésicos comuns, porém quando persistentes como é o caso das enxaquecas, pacientes sofrem imensamente tentando os mais diversos tratamentos medicamentosos. Mundialmente, a invalidez atribuível à cefaleia tensional é maior do que a por enxaqueca. Entre as causas de incapacidade ao trabalho descritas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a cefaleia encontra-se entre as dez condições mais incapacitantes para os dois sexos e entre as cinco para as mulheres.


Quando a dor de cabeça persiste, a despeito das tentativas medicamentosas oferecidas por neurologistas, cuidadoso estudo de suas causas com imagens do cérebro deve ser feito, visando descartar possíveis lesões que possam ser tratadas cirurgicamente. Quando não é possível diagnosticar ou tratar as causas, a Neuromodulação pode resolver enxaquecas severas, dores relacionadas a traumas de face, tumores e até mesmo por causas não identificáveis da dor. Neste vídeo preparado pela NeuroSapiens®️ a Dra. Alessandra Gorgulho discute em dois minutos como a Neuromodulação pode resgatar a qualidade de vida dos pacientes com cefaleia refrataria às medicações e tratamentos comportamentais.

6 visualizações0 comentário